Para melhor leitura e compreensão deste post, aconselho a leitura do último post publicado no blog intitulado Scrum para “Dummies”: Papéis e Eventos – Comparação com o Futebol

Há muitos anos, antes da popularização da framework Scrum e das metodologias ágeis, aprendi (com muita ajuda do meu avô) sobre a importância da melhoria contínua com base nas Normas ISO, destacando a diferença entre eficácia e eficiência. A distinção é simples: eficácia significa fazer as coisas certas, enquanto eficiência envolve fazer as coisas bem. 

Comparando isso ao futebol, a eficácia seria a equipa marcar golos, enquanto a eficiência seria jogar bem. Assim como no futebol, a beleza artística das equipas a jogar não garante vitórias, mas certamente que poderá aumentar a probabilidade que a eficácia – golos – aconteça.

No contexto do Scrum, essa distinção também se aplica. Podemos ser eficientes sabendo trabalhar muito bem com ferramentas de gestão de backlog, organizar o sprint backlog, ou agendar todas as cerimónias regularmente no mesmo local e horário, demonstrando eficiência. 

No entanto, é crucial questionar se somos eficazes. Estamos a fazer as coisas certas? Estamos a cumprir com as metas da sprint? Estamos a entregar outcomes em vez de features? Estamos a entregar valor?

Uma nota de rodapé e recordando minha experiência na implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade, lembro-me do Ciclo PDCA – Planear, Executar, Controlar e Agir. Ao observar de perto, percebo que o Scrum segue um padrão semelhante. Temos o Sprint Planning, a execução dos trabalhos durante a sprint, o controlo (no Scrum chama-se de inspeção) nas cerimónias e a ação, evidenciada na Retrospective e na Review.

uncode-placeholder